Arquivo diário: 2 de Fevereiro de 2016

“Auto da Barca do Inferno” – cena dos Quatro Cavaleiros

Sugestões de resposta para a correção do TPC (a partir das indicadas pelo manual “Diálogos” da Porto Editora):

imagem disponível em https://anove.wikispaces.com

imagem disponível em https://anove.wikispaces.com

1. Os Quatro Cavaleiros representam, na realidade, um grupo – aqueles que lutaram pela expansão da fé cristã. Assim, um único cavaleiro pode representar essa mesma ideia.

2.1. A canção dirige-se aos “mortais”, em geral – “Senhores, que trabalhais /pola vida transitória” (vv. 838-839). Logo a seguir (v. 845), os Cavaleiros tratam os “mortais” por “pecadores” .

2.2. A mensagem é um aviso: “despois da sepultura, / neste rio está aventura / de prazeres ou dolores!” (vv. 846-848), isto é, os Cavaleiros lembram aos mortais a transitoriedade da vida e aconselham-nos a terem sempre presente que, depois da morte, irão encontrar a alegria ou o sofrimento, o Céu ou o Inferno, conforme tenham atuado em vida. Recorde-se, aos alunos, que esta mensagem, que, na verdade, constitui a moralidade do auto, estava já presente na Cena II (o Fidalgo) nas palavras do Diabo: “Segundo lá escolhestes, / assi cá vos contentai. / Pois que já a morte passastes / haveis de passar o rio.” (vv. 56-59).

2.3. “barca segura” (v. 835), “bem guarnecida” (v. 836 e 843), da vida” (vv. 837, 844 e 851), “mui nobrecida” (v. 850). Todas elas são expressões elogiosas e salientam que é esta a barca em que todos devem desejar embarcar.

3.1. Os Cavaleiros sabem que quem morreu a combater pela fé tem entrada assegurada no Paraíso. De resto, isso mesmo é enunciado na didascália que antecede a cena: “Absoltos a culpa e pena per privilégio que os que assi morrem têm dos mistérios da Paixão d’Aquele por quem padecem, outorga – dos por todos os Presidentes Sumos Pontífices da Madre Santa Igreja.”

3.2. O Diabo manifesta espanto e incompreensão pela atitude dos Cavaleiros (vv. 860-861). O Anjo mostra a sua alegria por ter finalmente chegado quem ele esperava.

4. Como a Igreja só tinha a ganhar com as Cruzadas, quem nelas participasse ganhava, automaticamente, um lugar no Céu.