Arquivo da categoria: Português

Usos dos Media – Inquérito e Entrevistas

kidsmediaEstá prevista para a aula da próxima 4.ª f., 11 de maio, uma atividade de expressão oral. O objetivo será, a pares, realizarem pequenas entrevistas em que possam ser registados os dados recolhidos durante os diários sobre os vossos usos do media que vos foram pedidos.

As entrevistas serão complementadas pela resposta ao inquérito disponível em http://goo.gl/forms/bzSl45LqeB

Para ajudar, deixo-vos um pequeno guião para as entrevistas:

  • Durante a última semana, quantas horas por dia acedeste a:
    – rádio?
    – TV?
    – jornais/revistas?
    – PC?
    – Consola de jogos?
    – Internet através do smartphone?
  • Que tipo de conteúdos e que tipo de atividades realizas com cada um dos Media referidos na questão anterior?
  • Que redes sociais mais utilizas? com que objetivos?

Teste sobre Poesia – Matriz

Estes são os conteúdos e tarefas previstos para o próximo momento de avaliação. Bom estudo!

Grupo I
Texto A:
Texto não literário (sequenciação; questões de resposta múltipla; questão d einterpretação para produção de pequeno texto de opinião)
Texto B:
Texto literário – um poema (interpretação, recurso expressivos)

Grupo II
Gramática:
– Conjugação verbal – texto lacunar
– Colocação do pronome pessoal em adjacência verbal
– Funções sintáticas
– Discurso Direto e Indireto
– Frase simples e frase complexa.

Posteriormente, no contexto deste teste, ser-vos-á realizada uma proposta de escrita (a desenvolver durante a interrupção letiva).

A propósito de Fernando Pessoa….

Não consigo dominar
Este estado de ansiedade
A pressa de chegar
P’ra não chegar tarde
Não sei de que é que eu fujo
Será desta solidão
Mas porque é que eu recuso
Quem quer dar-me a mão

Vou continuar a procurar a quem eu me quero dar
Porque até aqui eu só

Quero quem
Quem eu nunca vi
Porque eu só quero quem
Quem não conheci
Porque eu só quero quem
Quem eu nunca vi
Porque eu só quero quem
Quem não conheci
Porque eu só quero quem
Quem eu nunca vi

Esta insatisfação
Não consigo compreender
Sempre esta sensação
Que estou a perder
Tenho pressa de sair
Quero sentir ao chegar
Vontade de partir
P’ra outro lugar

Vou continuar a procurar o meu mundo, o meu lugar
Porque até aqui eu só

Estou bem
Aonde não estou
Porque eu só quero ir
Aonde eu não vou
Porque eu só estou bem
Aonde não estou
Porque eu só quero ir
Aonde eu não vou
Porque eu só estou bem
Aonde não estou.

A Poesia do século XX

  • Para o estudo desta Unidade do programa, vais precisar de:
  • rever o que aprendeste anteriormente (consulta este documento);
  • responderes ao questionário Kahoot lançado pela professora e tomares nota do que precisas de rever;
  • estudar as páginas 268-269 do manual (para consolidares as aprendizagens);
  • estar atento nas aulas e participares nos trabalhos de grupo que te serão propostos.

Antes disso, vamos escutar e compreender. Depois de leres o poema que se segue, escuta atentamente a melodia e discute com os teus colegas: o que é Poesia? Por que há Poetas? O que é um Poeta? De que falam os Poemas? Como “conversam” connosco os Poemas? Anota as tuas ideias neste mural. Bom trabalho!

Queria saber mais sobre o amor
E as suas mais intrincadas essências
Então fui à procura dessa tal palavra “amor”
E encontrei milhões de ocorrências

Quis saber um pouco mais ti
Do corpo que esse teu perfil encerra
Numa apurada busca depressa concluí
Há muitas mais marias cá na terra

Maria, era assim que eu recebia,
Ora prosa, poesia,
Mil declarações de amor

“Maria”, era como eu respondia,
“queria conhecer-te um dia”
E esse dia não chegou

Triste fui tentar saber de nós
Da fonte de um desejo delicado
E então deparei-me com uma frase só
“a procura teve zero resultados”

O mal só podia estar em mim
O motor de busca pesquisou-me
E ficou logo claro porque te sumiste assim:
Há um tipo no Brasil com o meu nome…

Maria, era assim que eu recebia,
Ora prosa, poesia,
Mil declarações de amor

“Maria”, era como eu respondia,
“queria conhecer-te um dia”
E esse dia não chegou

“Maria”, era como eu respondia,
“queria conhecer-te um dia”
Mas o nosso amor…
crashou…..

 

Teste de avaliação da Leitura, Gramática e Escrita em torno do romance “Meu pé de laranja-lima” – Matriz de correção

Grupo I
1. F, D, C, E, G, A, B.
2.1.(C)
2.2.(A)
2.3.(B)
3.(C)
4. A ação desenrola-se no Natal: “Nem foram à Missa do Galo”, “Parecia mais o velório do Menino Jesus do que o nascimento.”
5.1. O pai saiu de casa sem se despedir ou desejar boas festas à família; Dindinha, a mãe, e Glória choraram; Totoca estava tão triste que não conseguiu comer.
6. A família vive carências económicas: a louça era “usada”, a companhia de eletricidade cortou a luz e Zezé, uma criança ainda, não teve qualquer presente no Natal.
7.1. … O tio Edmundo.
7.2. O pronome “isso” refere-se ao facto de o tio Edmundo estar longe dos filhos, na noite de Natal, com quem talvez gostasse de partilhar o pouco dinheiro que tinha e que ofereceu a Zezé e a Totoca.
8.1. A felicidade das pessoas que se encontram no exterior contrasta com a tristeza vivida pela família de Zezé, havendo uma oposição entre estes dois sentimentos (“tristes”/”felizes”).
9. … Metáfora pois tal como um rio imenso rega as margens por onde corre, também o carinho de Zezé pelo irmão transparecia na sua voz. OU Hipérbole, revelando os intensos sentimentos de ternura e carinho.
10.1. Zezé colocou os ténis no lado exterior da porta de entrada para que o Menino Jesus lhe deixasse um presente.
10.2. Totoca sabia que o irmão não iria receber qualquer presente, pelo que ficou ainda mais triste por saber que Zezé iria ficar dececionado.
Grupo II
11. O narrador disse que todo o mundo comera em silêncio e Papai só provara um pouco de rabanada. Nem foram à Missa do Galo. Parecia mais o velório do Menino Jesus do que o nascimento.
Disse ainda que Papai pegara o chapéu e saíra. Tio Edmundo botara uma pratinha de quinhentos réis na sua mão e outra na mão de Totoca. Fora por isso que ele o abraçara […] Ninguém se abraçara ou quisera dizer nada de bom. Mamãe fora para o quarto.
Acrescentou ainda que parecia que estavam velhinhos demais para a vida e cansados de tudo…
12. a. Eu enviá-las-ia
b. Alguém a viu
c. Tu envia-las
d. Nós usamo-lo
e. A mãe contar-lhe
f. Talvez a compre
13. a. tinham obtido
b. intervieram
c. teria recebido
d. entretinha-se
e. havia
14. a. O livro terá sido roubado por necessidade pelo garoto.
b. Os curiosos foram afastados energicamente pelo homem.
c. Os livros têm sido comprados pelo Zezé.
d. O trabalho seria feito pelo irmão, se pudesse.
15. A – 3
B – 4
C – 6
D – 5
E – 1
F – 8
G – 7
H – 9
I – 6
J – 2
Grupo III
Texto bem redigido apresentando estrutura clara composta por introdução, desenvolvimento e conclusão e revelando conhecimento do texto.
Todos nós tivemos episódios marcantes na infância que acabaram por marcar a nossa vida futura. Uns ficam guardados nas nossas memórias de forma positiva, outros nem por isso, mas vários contribuíram para a nossa formação como seres humanos.
Neste romance, o protagonista sofre as injustiças do mundo adulto, aprende cedo demais o que é a dor e a tristeza. Os pais descuidam do fundamental, do amor e da companhia, porque estão preocupados demais com a sobrevivência da família.
Zezé usa o mundo da imaginação para escapar da realidade da vida até o dia em que descobre que não pode mais fugir disso.